Cristopher Nolan e o vindouro Dunkirk

Por Samuel Guizzo Antunes

Em 21 de julho estreará nos cinemas o novo longa-metragem escrito, produzido e dirigido por Cristopher Nolan: Dunkirk.

Situado no início da Segunda Guerra Mundial, o filme mostrará como a operação Dínamo resgatou mais de 330 mil soldados franceses, ingleses, belgas e holandeses do porto de Dunkirk, quando cercado pelas forças nazistas, entre maio e junho de 1940. Além do ótimo elenco reunido (Tom Hardy, Mark Rylance, Kenneth Branagh, dentre outros), a produção ainda contou com a fotografia de Hoyte Van Hoytema. Mas enquanto o filme não estreia, porque não rever a filmografia do diretor até aqui?

Cristopher Nolan iniciou sua carreira dirigindo curtas-metragens e filmes de baixo orçamento até obter, no ano 2000, um maior reconhecimento pelo filme Amnésia, até hoje um dos seus trabalhos mais celebrados e inventivos. Em 2002, dirigiu Al Pacino e Robin Willians no thriller Insônia, a primeira e única vez em que Willians interpretou um assassino.

Nolan também foi o responsável por reimaginar e trazer de volta aos cinemas o personagem Batman, na trilogia que redefiniria o gênero de super-heróis sob uma ótica mais realista: Batman Begins (2005); Batman, O Cavaleiro das Trevas (2008) e Batman, O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012).

Entre uma produção e outra Nolan ainda concluiu O Grande Truque (2006) e o ótimo A Origem (2010), estrelado por Leonardo di Caprio. Neste, mais uma vez o diretor surpreendeu a todos com um enredo inventivo e soluções visuais nada convencionais.

Em 2014 produziu e dirigiu seu projeto mais audacioso até aqui, a ficção cientifica Interestelar, estrelada por Matthew McConaughey.

Com seu roteiro complexo, desenvolvido em parceria com o físico teórico Kip Thorne, o filme prestou, segundo o próprio Nolan, uma homenagem às grandes ficções científicas, sobretudo ao clássico absoluto 2001: Uma odisseia no espaço, do mestre Stanley Kubrick.

Seja produzindo, escrevendo ou dirigindo, Nolan já figura dentro os maiores diretores deste século, e seus filmes – ainda que nem todos sejam excelentes – merecem ser apreciados ao menos mais de uma vez.