A morte te dá parabéns

Por Paolla Oliveira

Mais um suspense, mais um clichê danado de bom. O filme se trata realmente de um clichê, aquele clichê do personagem revivendo certo dia ou momento sabem? Adoro, ainda mais quando se trata novamente de um suspense. Deu pra levar dois bons sustos apesar do dia se repetir milhões de vezes e sabermos o que vai acontecer. Enfim, o filme traz aquele mesmo dia vivido por Tree, uma típica estudante de universidade da comunidade Kappa, no qual ela está de aniversário, para ela um dia traumático já que sua mãe, a qual fazia aniversário no mesmo dia que ela faleceu.

Porque se passa no dia do aniversário dela? Não sei e nem foi explicado durante o filme.

O dia do aniversário de Tree se repete várias vezes, porém o dia sempre termina com a morte dela, de diferentes formas. Quando ela acorda mais ou menos pela terceira ou quarta vez ela começa a entender o que realmente está acontecendo e resolve pedir ajuda, primeiro a Lori e depois a Carter, que sugere que ela investigue todos aqueles que possam ser suspeitos de matá-la repetidas vezes, ela o faz, e claro que alguns suspeitos são descartados e outros nem tanto, por exemplo, ela encontra um cartão de aniversário bem sinistro nos pertences da líder da Kappa e também encontra a mesma máscara usada por seu assassino nos pertences do professor o qual ela tem um “caso”.

Apesar de o filme se tratar de um suspense foi impossível não rir algumas vezes com o comportamento de Tree, principalmente os comportamentos que ela tinha logo após acordar no dormitório de Carter. Outra questão interessante é o romance que surge entre ela e Carter, que se mostrou bastante fiel, digno e encantado por ela, sendo capaz de acreditar na história desde a primeira vez que ela contou e até mesmo defende-la de Tombs.

Após várias mortes, Tree vai parar no hospital e descobre que as várias mortes anteriores estão prejudicando sua saúde e ela não terá todo tempo do mundo para sair desde deja’vu infinito. E enquanto ela está no hospital ela finalmente vê que Joseph Tombs está lá enquanto preso. Após outras mortes ela o vê novamente no noticiário e compreende que ele se soltou ainda no hospital e a caçou todas as vezes tentando matá-la. Ela então parte para o ataque e tenta se livrar dele, mas não é bem sucedida. Quando finalmente ela se prepara, vive o dia da melhor maneira possível, se reconcilia com seu pai, termina sua relação com o professor casado e cede aos encantos de Carter e no fim consegue se livrar de Tombs atirando contra ele, quando tudo parecia se resolver, não se resolve, ela amanhece novamente no dormitório de Carter no dia do seu aniversário.

É ai que vem a melhor parte, Lori, a sua fingida colega de quarto orquestrou todo o plano para matar Tree, tudo por causa de Gregory, o professor casado. Sim, muito doido, mas digno de filme de suspense com final bacana, gostei muito. Tree então junta todas as peças e compreende que apenas Lori tinha acesso a Tombs já que ele estava no hospital e colocando a máscara junto dele, assim como a arma do crime o incriminaria pela morte de Tree, que na verdade ela causaria. Primeiramente ela tentou com o cupcake de aniversário e quando Tree o rejeitou ela realmente resolveu sujar as mãos diversas vezes. OOOK, surpreendeu, gostei muito, apesar de não ter sido explicado o porquê de tudo acontecer explicitamente, em minha compreensão foi devido ao comportamento de Tree, o qual ela deveria mudar radicalmente e ela o fez, assim como valorizar e voltar a comemorar seu aniversário, pois apesar da dor de não ter sua mãe por perto ela pode contar com seu pai e agora, Carter.

Baita filme, super-recomendo.